medicinadotrabalho.png

Medicina do Trabalho

Medicina do trabalho ou Medicina Ocupacional ou é um ramo da saúde que se preocupa em preservar a vida e a integridade do trabalhador. É um direito garantido por lei que visa proporcionar saúde e qualidade de vida aos trabalhadores independente da profissão exercida.

 

Os profissionais responsáveis são médicos, enfermeiros e profissionais especializados, que se empenham em prevenir acidentes e problemas de saúde decorrentes de certos ofícios, assim como tratar daqueles que sofrem com consequências de acidentes causados pelas tarefas que exercem.

 

SABMED coloca a disposição de seus clientes uma equipe técnica altamente especializada na prestação de serviços em Medicina e Segurança do Trabalho, que conta com suporte administrativo rápido e eficiente. São profissionais treinados continuamente, assegurando aos parceiros atendimento diferenciado e dinâmico.
 

A SAMED Medicina e Segurança do Trabalho oferece aos seus clientes entre outros serviços:

  1. Implantação e administração do PCMSO;

  2. Exames Médicos Ocupacionais;

  3. Exames Médicos Complementares;

  4. Relatórios Gerenciais Epidemiológicos;

  5. Alocação de Profissionais Especializados;

  6. Realização de Exames Periódicos nas empresas; 

 

Serviços da SAMED Medicina e Segurança do Trabalho:

 

  1. Coleta Laboratorial: Exames realizados com estrutura de empresa parceira;

  2. Audiologia Ocupacional/ Programa de Controle Auditivo (PCA);

  3. Espirometria Ocupacional;

  4. Eletrocardiograma;

  5. Eletroencefalograma;

  6. Exames de Imagem: Raio – X com laudo padronizado de acordo com a OIT (Organização Internacional do Trabalho), empresa parceira.

 

Medicina do Trabalho: os melhores gestores de saúde ocupacional da região, tendo como diretor técnico profissional especializado reconhecido pela ANAMT( Associação Nacional de Medicina do Trabalho)  e com RQE emitido pelo CRM.

 

Lembrando que todos os exames acima são realizados no mesmo dia e em nossa sede própria (exceto o raio-x), sem necessidade de deslocamento do funcionário e o ASO é liberado em até 48 horas após a realização do último exame.

GAE - Gerenciamento Absenteísmo Empresa

O absenteísmo, se refere à ausência do trabalhador no local de trabalho. O número de horas de trabalho perdidas frente as que são planejadas causam perda da produtividade e consequentemente da capacidade de competição das indústrias. Um alto absenteísmo significa um grande número de horas perdidas indicando uma “doença” na indústria. O indicador de absenteísmo deve ser conhecido pelo empregador e saber o valor “perdido” pela empresa. Temos que identificar os fatores que as geram e atuar significamente na causa e assim conseguir a redução de faltas no trabalho.

NR-7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional

Estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação, por parte de todos os empregadores e instituições que admitam trabalhadores como empregados, do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO, com o objetivo de promoção e preservação da saúde do conjunto dos seus trabalhadores. Todos os trabalhadores devem ter o controle de sua saúde de acordo com os riscos a que estão expostos. O PCMSO deve incluir, entre outros, a realização obrigatória dos exames médicos:

a) Admissional: deverá ser realizada antes que o trabalhador assuma suas atividades na empresa;

b) Periódico: de acordo com os intervalos mínimos de tempo determinado pelo médico do trabalho conforme atividade,idade e necessidades, etc.

c) Retorno ao trabalho; deverá ser realizada obrigatoriamente no primeiro dia da volta ao trabalho de trabalhador ausente por período igual ou superior a 30 (trinta) dias por motivo de doença ou acidente, de natureza ocupacional ou não, ou parto.

d) Mudança de função: será obrigatoriamente realizada antes da data da mudança e que implique a exposição do trabalhador a risco diferente daquele a que estava exposto antes da mudança.

e) Demissional: será obrigatoriamente realizada até a data da homologação.

Os exames médicos de compreendem:

  • Avaliação clínica, abrangendo anamnese ocupacional e exame físico e mental;​

  • Exames complementares, realizados de acordo com os termos específicos nesta NR e seus anexos.

PCA - Programa de Conservação Auditiva

O PCA (Programa de Conservação Auditiva) é um conjunto de medidas técnicas simplificadas ou administrativas, distribuídas e mantidas ao longo do tempo, que agindo de forma integrada e complementar entre si,tem como objetivo a preservação da audição. A conservação auditiva implica na prevenção da audição do indivíduo, sendo ele portador ou não da perda auditiva. O programa tem como objetivo prevenir ou estabilizar as perdas auditivas ocupacionais em decorrência de um processo contínuo e dinâmico de implantação de rotina nas empresas. O fonoaudiólogo exerce um papel importante em decorrência do contato individual com o trabalhador, realizando avaliação auditiva (audiometria), informado a eficácia do programa, bem como dando esclarecimentos sobre os efeitos do ruído e as formas de prevenção, e principalmente o uso do EPI ou EPA.Atualmente, muitas empresas possuem este tipo de programa com a finalidade de prevenir a saúde auditiva dos seus funcionário através de:

 

  1. Avaliação e monitoramento do ruído;​

  2. Avaliação e monitoramento da audição;​

  3. Orientações sobre o uso dos protetores auriculares;

  4. Palestras educativas sobre a prevenção auditiva.

PPR - Programa de Prevenção Respiratório

Tem como objetivo o controle eficaz de uso e indicação do equipamento adequado para controle das doenças ocupacionais provocadas pela inalação de ar contaminado com poeiras, fumos, nevoas, fumaça, gases e vapores, levando em conta o tipo de atividade e as características individuais de cada funcionário, a fim de garantir a proteção do trabalhador contra riscos existentes nos ambiente de trabalho.

O PPR é aplicável quando em alguma área, através de avaliação qualitativa ou quantitativa, for detectada alguma possibilidade de contaminação através de via respiratória; onde as medidas de controle coletivas tais como enclausuramento, confinamento da operação, ventilação local ou geral, ou substituição de substâncias menos tóxicas, estão sendo adotadas para minimizar a contaminação ou não são viáveis; enquanto tais medidas estiverem sendo implantadas ou avaliadas;

NR-17 - Ergonomia - Laudo Ergonômico

Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto, segurança e desempenho eficiente. As condições de trabalho incluem aspectos relacionados ao levantamento, transporte e descarga de materiais, ao mobiliário, aos equipamentos e às condições ambientais do posto de trabalho e à própria organização do trabalho. Para avaliar a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, cabe ao empregador realizar a análise ergonômica do trabalho, devendo a mesma abordar, no mínimo, as condições de trabalho, conforme estabelecido nesta Norma Regulamentadora.

NR-31 Segurança e Saúde no Trabalho na Agricultura, exploração Florestal e Aquicultura

Esta Norma Regulamentadora tem por objetivo estabelecer os preceitos a serem observados na organização e no ambiente de trabalho, de forma a tornar compatível o planejamento e o desenvolvimento das atividades da agricultura, pecuária, silvicultura, exploração florestal e aqüicultura com a segurança e saúde e meio ambiente do trabalho.

Esta Norma Regulamentadora se aplica a quaisquer atividades da agricultura, pecuária, silvicultura, exploração florestal e aqüicultura, verificadas as formas de relações de trabalho e emprego e o local das atividades. Esta Norma Regulamentadora também se aplica às atividades de exploração industrial desenvolvidas em estabelecimentos agrários.

NR 32 – Segurança e Saúde no Trabalho em Estabelecimento de Saúde

Esta Norma Regulamentadora – NR tem por finalidade estabelecer as diretrizes básicas para a implementação de medidas de proteção à segurança e à saúde dos trabalhadores dos serviços de saúde, bem como daqueles que exercem atividades de promoção e assistência à saúde em geral.

Para fins de aplicação desta NR entende-se por serviços de saúde qualquer edificação destinada à prestação de assistência à saúde da população, e todas as ações de promoção, recuperação, assistência, pesquisa e ensino em saúde em qualquer nível de complexidade.

PPP - Perfil Profissiográfico Previdenciário

O Perfil Profissiográfico Previdenciário (PPP) é um formulário que consta as informações relativas ao empregado, como por exemplo, a atividade que exerce, o agente nocivo ao qual é exposto, a intensidade e a concentração do agente, exames médicos clínicos, além de dados referentes à empresa.

O formulário deve ser preenchido pelas empresas que exercem atividades que exponham seus empregados a agentes nocivos químicos, físicos, biológicos ou associação de agentes prejudiciais à saúde ou à integridade física (origem da concessão de aposentadoria especial após 15, 20 ou 25 anos de contribuição). Além disso, todos os empregadores e instituições que admitam trabalhadores como empregados do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais e do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional, de acordo com Norma Regulamentadora nº 9 da Portaria nº 3.214/78 do MTE, também devem preencher o PPP.

O PPP deve ser preenchido para a comprovação da efetiva exposição dos empregados a agentes nocivos, para o conhecimento de todos os ambientes e para o controle da saúde ocupacional de todos os trabalhadores.

NOTA

É necessário o preenchimento do PPP, pelas empresas, para todos os empregados. De acordo com a Instrução Normativa/INSS/DC nº 99 de 05/12/2003, após a implantação do PPP em meio magnético, pela Previdência Social, esse documento será exigido para todos os segurados, independentemente do ramo de atividade da empresa e da exposição a agentes nocivos.

A comprovação da efetiva exposição a agentes nocivos será feita mediante formulário próprio do INSS, o Perfil Profissiográfico Previdenciário, que será preenchido pela empresa ou seu preposto com base em Laudo Técnico de Condições Ambientais do Trabalho (LTCAT) expedido por médico do trabalho ou engenheiro de segurança do trabalho, para fins de comprovação da exposição a agentes nocivos prejudiciais à saúde ou à integridade física. Quando houver o desligamento do empregado, a empresa é obrigada a fornecer uma cópia autêntica do PPP ao trabalhador, sob pena de multa, caso não o faça.

OBSERVAÇÃO

De acordo com a Instrução Normativa/INSS/DC nº 99, de 05/12/2003, a partir de 1º de janeiro de 2004 a comprovação do exercício de atividade especial será feita pelo PPP, emitido pela empresa com base em laudo técnico de condições ambientais de trabalho expedido por médico do trabalho ou engenheiro de segurança.

A empresa (ou equiparada à empresa) deverá elaborar PPP de forma individualizada para seus empregados, trabalhadores avulsos e cooperados expostos a agentes nocivos químicos, físicos, biológicos ou associação de agentes prejudiciais à saúde ou à integridade física, considerados para fins de concessão de aposentadoria especial. E ainda, para fins de concessão de benefícios por incapacidade, a partir de 1º de janeiro de 2004, a Perícia Médica do INSS poderá solicitar o PPP à empresa, com vistas à fundamentação do reconhecimento técnico do nexo causal e para avaliação de potencial laborativo, objetivando o processo de reabilitação profissional.

A exigência da apresentação do LTCAT será dispensada a partir de 1º de janeiro de 2004, data da vigência do PPP, devendo, entretanto, permanecer na empresa à disposição da Previdência Social.

Entretanto, para períodos laborados até 31 de dezembro de 2003, será aceito o DIRBEN-8030 (antigo SB-40, DISES-BE 5235, DSS-8030), desde que emitido até essa data.

Quando o PPP for apresentado contemplando períodos laborados até 31 de dezembro de 2003, não é necessária a apresentação do DIRBEN-8030 (antigo SB-40, DISES-BE 5235, DSS-8030).